A Bolota

Andamos há décadas a achar que a Bolota é alimento para porcos e a desperdiçar mais de metade da que existe em Portugal.

Mas novos estudos realizados com Bolota de azinheira do montado alentejano, demonstraram um elevado valor nutricional da Bolota fresca e da respetiva farinha que, além da riqueza em fibra e proteína, da sua riqueza em compostos antioxidantes e do facto de ser isenta de glúten, tem um perfil de lípidos semelhante ao do azeite, e tem compostos que podem ajudar ao combate de doenças como o cancro e o Alzheimer.

(Fonte: Público “A Bolota mostra o seu poder”, baseado em investigação centrada na Bolota, efetuada pela Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto).

História da Bolota

A referência escrita mais antiga sobre a utilização da Bolota para a alimentação humana é de Hesíodo, poeta grego do século VII a.C. que referiu na sua obra “Os Trabalhos e os Dias” que “A Terra produz bastante sustento… A azinheira está carregada de abundantes Bolotas nos seus ramos mais altos e de abelhos nos do meio.”

Sabe-se também que, na idade média, a Bolota era um alimento base na alimentação europeia, mesmo antes da introdução do milho e da batata e a sua importância está também comprovada em alguns dados arqueológicos de Portugal e Espanha.

Foram também encontradas em Citânia de Briteiros (concelho de Guimarães) Bolotas torrificadas e mós de pedra que se pensa terem sido utilizadas para moer as Bolotas em moinhos manuais (Alarcão-e-Silva, 2001).

Por fim é também importante apontar Estrabão, geógrafo e historiador romano (58 a.C. – 25 d.C.) que se referiu ao povo Lusitano dizendo que “Na quarta parte do ano não se mantêm senão de Bolotas, que secas e trituradas, se moem para fazer pão, o qual pode guardar-se por muito tempo (…)” (Amorim, 1987).

Quais os principais benefícios da Bolota?

Como já referimos, existem estudos que comprovam o enorme potencial da Bolota a nível nutricional e os seus benefícios para o consumo humano.

As bolotas possuem diferentes quantidades de nutrientes (proteína, hidratos de carbono, gorduras, vitaminas e minerais), entre os quais ácidos gordos insaturados extremamente benéficos para a saúde.

Para além do seu valor calórico, as Bolotas são ricas em polifenóis que possuem actividade antioxidante. O estudo levado a cabo pela ESB da Universidade Católica do Porto, concluiu que a bebida de Bolota tem um potencial antioxidante muito superior ao que existe no mercado, em comparação com alguns dos sumos à base frutos vermelhos, normalmente indicados como os melhores antioxidantes.